sexta-feira, 17 de março de 2017

Aquele blues entalado


Que coisa estranha são os medos das pessoas
É o bip magnético, é a porta giratória,
É acordar no dia errado,
É aquele blues entalado,
É passar frio na rua.
É aquele passo apressado.
É pirar e ser diagnosticado.
De qualquer forma, nada deixa tudo mais acentuado,
Do que um mero dia nublado.



quinta-feira, 16 de março de 2017

Outra cadeira vazia




Quem é que diria que ao fim do dia eu preferiria apenas ser uma cadeira vazia.
Já tive muitos dias de chá para um,
Algumas noites frias,
Outras manhãs de café para dois.
Embora o sol ainda bata à tardinha
E se ponha atrás da escadaria,
O script já não valia.



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Não há nada de estranho com a inquietude



Não há nada de estranho com a inquietude _ Dizia o médico.

Após descer as escadas, a chuva caia torrencialmente. Ao lado uma cafeteria, era possível sentir o aroma quente e aconchegante, e mesmo num dia de calor não há nada que a cafeína não possa melhorar. No cardápio uma seleção de cafés gelados, há para todos os gostos o sabor amargo, com creme gelado, baunilha para disfarçar, torrado para acompanhar, expresso para acordar. Entre molhar os pés ou adocicar a boca a escolha parecia fácil, era melhor recolher o guarda-chuva. Tais paixões humanas são muito comuns, não a toa que a pequena cafeteria estava lotada, não havia mais mesas, mas haviam muitos sentados sozinhos.
O inusitado sempre pode tomar lugar, junto da jovem garota se sentar, dos moços de terno ou das senhoras cheias de sacolas. Não se tratava de uma escolha, apenas da mesa mais próxima, e nesse caso um papo jovial, para não deixar o silêncio indiferente tomar espaço.

 Tornou-se uma tarde muito agradável, cafeterias foram feitas para se conhecer pessoas, calar aquele silêncio individual que já toma a maior parte de nossos dias. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Nothing's gonna change my World




Quando você sente que precisa sair do lugar
vai caminhando com os pés na areia, gelados
vai andando, e acaba esquecendo o seu ponto de partida.

Permita se lembrar de você.
A palavra que vem quando os dedos andam sozinhos pelo teclado.



Jay Guru Deva

Nothing is gonna change my world



sábado, 15 de novembro de 2014

Todos parecemos estúpidos quando falamos de amor;
Como dizia Raul "para moçada lá do Pier é careta se alguém fala de amor"

Amor, ou, egos quebráveis.

Quando me sinto desse jeito...





quarta-feira, 6 de agosto de 2014


Que coisa é essa a de expectativas
Deixamos de ser crianças, e nesse processo
 alguns deixam de sentir,
outros deixam de sonhar,
outros de realizar.

E aqueles do clube da negação
que continuam sonhando
continuam sentindo
Esquecem que não são mais crianças.

Que solitário é esse clube,
como uma cabana de sonhos
mas vazia e cheia de eco.


terça-feira, 5 de agosto de 2014

O problema com o tempo é que não há como voltar atrás.
O que sempre me deixou aflita,
em não perdê-lo,
preocupada com todas as possíveis dores que não poderia mudar,

Não estava em minhas mãos,
não tinha como fazer mais, como correr mais
como segurar mais.

As coisas escapam, entre as mãos, entre os pensamentos,
não havia como evitar.

Só seguir...
"Did I say I loathe you?
Did I say that I Want to
Leave it all behind?"



domingo, 3 de agosto de 2014

E quando a sua outra metade é um espírito livre


E quando a sua outra metade é um espírito livre;
Como "Marco Polos", precisam voar
tocar a terra, sentir a brisa do vento em seus diferentes lares.

Sentir os raios do sol aquecer a pele nos mais variados ângulos do globo.
Você fica em casa, guardando o coração
aguardando a canção, gatinha manhosa,
a voz mansa, o coleguismo, o sorriso.

Sabes que quando a outra metade regressar estarás mais completa,
Sabes que até que se encontrem terá de passar;
da forma mais leve, para o caminho da reunião.

Espíritos de Júpiter, grandes, incontáveis,
fazem parte da vastidão
da exploração, um diferente tipo de curiosidade e nobreza.

Quando um coração é uma casa,
E está aberta.


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Encontros e Desencontros (um desabafo)

Estranho é o Amor
mistura preocupação, raiva, solidão, exatidão.

Encontros, desencontros,
Acasos
Ausências.
Perdão, compaixão
Finais e começos.


Raiva, um problema, mas nunca em vão

Estou tentando, com empenho e um bonito coração
todos os dias perfurado de alguma maneira, então sinto decepção.

Raiva, um problema, mas nunca em vão.
Tento engolir, me esforço a não desistir.

Por que estamos juntas aqui?
Por que tens de tratar-me assim?

Esqueça então.
Mais uma carta guardada, rasgada, esmagada.

Contos para a vida.




quarta-feira, 9 de julho de 2014

Apenas escreva e escreva, era o que diziam, ao pé do ouvido. Quando nada mais faz sentido e você não quer sair da cama.
Quando não há mais nada que você possa fazer, as palavras fluem, do fundo à superfície e você transborda.

Não, você não quer ouvi-las. Partes, pedacinhos pequenos, de toda as nossas facetas.

Corações partidos, cabeças quebradas, raciocínios perdidos, sonhos esquecidos, as palavras vão te embalar, não importa o que for que estiver te quebrando, mesmo que não saiba que dia da semana é.

"Você nasceu para sonhar", me disseram, o que será que significa isso, em especial o que significa quando se está na multidão com o coração na mão. "Sentir, você nasceu apenas para sentir, então não se preocupe com  metas."


quarta-feira, 18 de junho de 2014

As vezes não sabemos se estamos nos conhecendo ou apenas nos lembrando de nós mesmos;
Me contaram que continuamos renascendo, faz muito tempo;
Estamos jogando tempo fora, oh meu querido,
Nas noites em que converso com o vinho, não sei se encontro sua presença em mim, se sempre estivemos juntos ou vivemos tempos inusitados.
“Faz muito que não te vejo sorrir” disse ele, respondi sentando o copo “eu nunca parei de sorrir”;
Meus pés continuam aquecidos, assim como o meu coração.

É sempre verão para os meus olhos, ou é o que desejo.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

As conversas com o silêncio


















Qual será o timbre das conversas que não compreendemos?
 As conversas com o silêncio,
quando ele se aproxima ao pé do ouvido,
abrimos os olhos, procuramos ouvir,
Mas as conversas com o silêncio são frias demais.

Enquanto ele estava fora, reaproximei de mim mesma
fiz as perguntas ao espelho,
Desliguei as luzes, e aguardei pelo silêncio
E suas respostas reconfortantes.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

E enquanto está apenas fumando um cigarro...